Assim diz o Senhor: Ponde-vos nos caminhos, e vede, e perguntai pelas veredas antigas, qual é o bom caminho, e andai por ele; e achareis descanso para as vossas almas. Mas eles disseram: Não andaremos nele. Jr. 6:16

"Estou crucificado com Cristo" "Ich bin Mit Cruscificado Christus" "Yo estoy crucificado con Cristo" "Ik ben gekruisigd met Christus" "Я являюсь распят со Христом" キリストと共に十字架につけられています。Je suis crucifié avec le Christ 我是與基督釘在十字架上 אני ונצלב עם המשיח

terça-feira, 5 de julho de 2011

Verdade ou Unidade: qual é mais importante? (Segunda Parte)

Por Wilson Porte Jr.
Há uma ligação muito forte entre o que cremos, nossos símbolo de fé, e a prática da comunhão eclesiástica. Quando olhamos para o evangelicalismo moderno, constatamos uma grande dissociação entre comunhão cristã e fé (aquilo que confessamos). A verdade não é tida como mais importante do que a comunhão. Por isso, vemos uma geração de igrejas sem rumo, sem saúde, confusas, onde o que realmente importa, é serem todos "amigos".
Gostaria, neste artigo, de tratar do valor que os Símbolos de Fé têm para a unidade da igreja. Há um tempo atrás, escrevi aqui um artigo sobre a Unidade e a Verdade. Me espantou, em meio a tantos e-mails, a falta de compreensão em alguns cristãos sobre o valor da União na Verdade. No Salmo 119.105 lemos assim: Lâmpada para os meus pés é a tua palavra e, luz para os meus caminhos. Pois bem, sem a luz da Verdade, a Unidade jamais perdurará! Segundo Charles H. Spurgeon, união não pode se dar em detrimento da verdade.
Paulo Anglada, em seu livro Sola Scriptura: a doutrina reformada das Escrituras (Os Puritanos), aborda de modo muito interessante a indissolubilidade entre o que cremos e a verdade. Ele afirma: “uma igreja sem confissão é como um partido sem ideologia, como uma sociedade sem estatuto, ou como um país sem constituição. Não há coerência, nem unidade, nem estabilidade, nem fidelidade, nem disciplina”.
Você percebe a importância e a urgência das igrejas de nossos dias voltarem a se reunir em torno dos símbolos da fé cristã? A unidade somente será preservada em torno da verdade confessada.
Algo pouco difundido nas igrejas de hoje, é o fato das primeiras igrejas "evangélicas" terem se unido e se mantido firmes em torno de seus Símbolos de Fé. Foi a Confissão de Fé de Londres de 1644 e, depois, de 1689, que manteve grande parte dos  batistas unidos no século 17. Ali, eles resumiam o que criam acerca das Sãs Doutrinas. Foi a Confissão de Fé de Westminster que testemunhou a fé dos primeiros presbiterianos e os manteve unidos também no século 17. Da mesma sorte, a Confissão Belga, o Catecismo de Heidelberg, dentre outros documentos comprometidos em exporem a Pura Palavra de Deus, serviram para unir as igrejas cristãs na Palavra, na Verdade, no Verbo, "que um dia se fez carne e habitou entre nós" (Jo 1.14).
A união não se dava por causa de tais documentos, mas por causa daquilo que eles ensinavam. Quando faltar o ensino – a pregação, a proclamação – faltará a esperança da unidade.
Aquilo que cremos acerca da Palavra de Deus é importantíssimo a fim de que consigamos caminhar juntos. Aquilo que cremos acerca da Santíssima Trindade é fundamental a fim de que possamos comungar juntos. Aquilo que cremos acerca da salvação é algo que, ou nos unirá, ou nos separará de modo taxativo. 
A Igreja é de Deus! Ela não é nossa. Quantas comunidades nos nossos dias têm glorificado templos, amizades, líderes, estruturas, mas não glorificam a Verdade, o Caminho e a Vida. Cristo é a cabeça da Igreja de Deus, e Suas Palavras devem nos unir.
Infelizmente, muitas comunidades têm sobrevivido em torno da boa música que fazem, dos espetáculos dominicais, da amizade das "panelas", e da supervalorização das tradições a serem mantidas. Infelizmente, tais comunidades não perdurarão por causa do amor à Palavra e por confessarem a mesma fé. Os Símbolos de Fé, aquilo em que creem, não será a base de sua amizade e comunhão. 
Por isso, faria muito bem a todos que leem estas poucas palavras, que não nos esquecêssemos de que, enquanto peregrinamos nessa Terra, devemos perseverar em conhecer, amar e proclamar as Sagradas Escrituras. São elas que nos apresentam a Verdade! É a Verdade que nos une a Deus! E é a Verdade que, verdadeiramente, nos unirá um ao outro.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Deixe seu comentário aqui!

Pages