Assim diz o Senhor: Ponde-vos nos caminhos, e vede, e perguntai pelas veredas antigas, qual é o bom caminho, e andai por ele; e achareis descanso para as vossas almas. Mas eles disseram: Não andaremos nele. Jr. 6:16

"Estou crucificado com Cristo" "Ich bin Mit Cruscificado Christus" "Yo estoy crucificado con Cristo" "Ik ben gekruisigd met Christus" "Я являюсь распят со Христом" キリストと共に十字架につけられています。Je suis crucifié avec le Christ 我是與基督釘在十字架上 אני ונצלב עם המשיח

segunda-feira, 23 de janeiro de 2012

Quem é Jesus realmente? Seria ele mais que um carpinteiro?

Jesus é Deus

Tente imaginar um Ser que desafia a imaginação. Uma pessoa sem começo ou fim, cuja existência abrange infinitamente os dois lados da eternidade. Um Ser tão vasto que se você pudesse quebrar toda a lei da Física e chegar ao limite das galáxias do nosso universo expansivo, Ele já estaria lá, esperando por você—não importa para que lado você tentasse ir. Uma Vontade tão poderosa que nem sequer uma decisão pode ser contrariada por um instante, mesmo se toda a criação se opor. Uma Mente tão infinita que nem um elétron girando em torno de um átomo, no canto mais obscuro do cosmos, pode escapar à Sua atenção. Esta Pessoa que estamos tentando (com pouco sucesso!) imaginar, é Deus. E esta Pessoa tem um nome…
Jesus.
Aqueles que vieram a conhecer o mestre de Nazaré proclamaram isso sem receio. Eles falavam de um Jesus: “O qual, embora sendo Deus, não considerou que o ser igual a Deus era algo a que devia apegar-se; mas esvaziou-se a si mesmo, vindo a ser servo, tornando-se semelhante aos homens” (Filipenses 2:6). De alguma maneira, forçado para dentro deste pacote completamente humano, estava a natureza infinita de Deus com todas as Suas atribuições magníficas. Diante dos seus olhos, estava algo que nunca fora visto antes: “Ele é a imagem do Deus invisível…Pois foi do agrado de Deus que nele habitasse toda a plenitude” (Colossenses 1:15,19). Este homem era precisamente igual a Deus. Ele era tão inseparável de Deus quanto a luz irradiando do sol é inseparável do seu brilho: “O Filho é o resplendor da glória de Deus e a expressão exata do seu ser” (Hebreus 1:2).
O amigo mais próximo de Jesus durante aqueles poucos anos no holofote, resumiu as suas convicções sobre Jesus em três curtas frases. “No princípio era a Palavra, e a Palavra estava com Deus, e a Palavra era Deus” (João 1:1). Jesus não somente ensinou sobre Deus, ou tentou mostrar um exemplo de Deus, ou prometeu levar alguém a Deus. Jesus era Deus. Palavras chocantes! Mas estas foram exatamente às palavras que Ele usou.
E o homem da Galiléia? O que foi que Ele disse sobre si mesmo? Ele fez uma declaração simples e clara:“Quem me vê, vê ao Pai” (João 14:9). Nenhum mestre, meramente humano, tem declarado estas palavras—e nem poderia, sem ele ou ela estar perigosamente louco. Mas Jesus declarou: “Olhe a Mim, e você pode sair dizendo que tem visto Deus”.

Jesus é nosso Criador

Cientistas modernos, esforçando-se para ouvir os ecos e sussurros da origem do universo, têm descoberto um tempo quando nada existia. Nada. O universo era menos do que espaço vazio. Não existia espaço paraser vazio! Tudo que existia era um ponto singular sem dimensão ou tamanho. De repente um cosmos saltou para a existência, pulsando com energia e massa. Forças enormes de alguma maneira formaram aquele caos em beleza, propósito, e ordem em toda direção que podemos olhar. De algum jeito, um nadase tornou algo, e aquele algo se tornou a voz de uma pessoa amada ou o sorriso de um nenê.
Os amigos de Jesus não acreditavam que tudo isso aconteceu por acaso. Eles acreditavam que foi Ele quem fez. Eles testificaram que ao Seu mandar, mundos vieram a existir e que a Sua sabedoria infundiu criação com significado e direção. Eles ensinaram que nós, pessoalmente, devemos nossa existência a Ele.
“Há muito tempo Deus falou muitas vezes e de várias maneiras aos nossos antepassados por meio dos profetas, mas nestes últimos dias nos falou por meio do Filho, a quem constituiu herdeiro de todas as coisas e por meio de quem fez o universo” (Hebreus 1:1). A pessoa que conhecemos como Jesus, é o nosso Criador. “Todas as coisas foram feitas por intermédio dele; sem Ele, nada do que existe teria sido feito” (João 1:3).
Por que eu existo? Aqueles que conheceram Jesus melhor iriam responder: Porque Ele te fez para Ele mesmo! “Pois nele foram criadas todas as coisas nos céus e na terra, as visíveis e as invisíveis, sejam tronos ou soberanias, poderes ou autoridades; todas as coisas foram criadas por ele e para ele” (Colossenses 1:16). Difícil acreditar que alguém pode olhar para um mestre humano e ver tudo isso! Mas os amigos de Jesus declaram: Ele é o nosso Criador.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Deixe seu comentário aqui!

Pages