Assim diz o Senhor: Ponde-vos nos caminhos, e vede, e perguntai pelas veredas antigas, qual é o bom caminho, e andai por ele; e achareis descanso para as vossas almas. Mas eles disseram: Não andaremos nele. Jr. 6:16

"Estou crucificado com Cristo" "Ich bin Mit Cruscificado Christus" "Yo estoy crucificado con Cristo" "Ik ben gekruisigd met Christus" "Я являюсь распят со Христом" キリストと共に十字架につけられています。Je suis crucifié avec le Christ 我是與基督釘在十字架上 אני ונצלב עם המשיח

segunda-feira, 16 de abril de 2012

Mártires são exemplo de grande inspiração para os cristãos na Tunísia

No século III D.C 203 mulheres foram mortas por causa de sua fé em Jesus Cristo. Perpétua (22) e Felicidade foram presas juntamente com outros cristãos. Enquanto esteve presa Perpétua escreveu um diário. No diário, essa esposa e mãe escreve sobre suas experiências dentro da prisão. Além disso, ela descreve as tentativas de seu pai não cristão de fazê-la renunciar à sua fé. Seus escritos são vistos como o mais antigo texto escrito por uma mulher cristã, descoberto até agora. Em 2006, Malcolm Lyon escreveu o livro “A escada de Bronze” no qual ele usa as histórias dos mártires tunisianos.
Perpétua e outros cristãos depois de algum tempo presos foram martirizados, resultado de uma ordem do imperador romano Septímio Severo (193-211) que estabeleceu a proibição de se converter ao cristianismo ou de tornar-se judeu. Durante o tempo em que esteve presa, Felicidade estava grávida, isso poderia ter-lhe poupado a vida, já que as leis da época, não permitiam que mulheres grávidas fossem executadas. Mas o bebê nasceu dois dias antes da data de sua execução. A criança foi adotada por outra família cristã.
Felicidade passou pelo mesmo caminho árduo e difícil de Perpétua e os outros cristãos que eram lançados aos animais selvagens para serem devorados, ou mortos ao fio da espada. A história conta que Perpétua colocou a própria espada no pescoço antes de ser martirizada, uma forma de demonstrar que não temia a morte. Os mártires foram enterrados em Cartago, perto da atual Tunis, capital da Tunísia.
Mais de 18 séculos depois, os cristãos podem se reunir na Tunísia. Mas ainda assim, muitos cristãos sofrem perseguição. Muitos deles perdem, por exemplo, todo o contato com sua família. De repente, um novo convertido cristão não é mais bem vindo na comunidade em que vive.
Atualmente, existem cerca de 1500 cristãos na Tunisia, a maioria deles de origem muçulmana. Alguns se encontram em igrejas oficiais espalhadas por várias cidades do país, outros se reunem em igrejas domésticas. A jovem estudante Tahira é uma, entre esses milhares de cristãos tunisianos. A mãe e a irmã dela também se tornaram cristãs, acrescenta. Ela ainda vive com sua família. Ela é muito aberta sobre sua fé, mesmo no Facebook, ela compartilha sua crença.
O jovem Steve de 18 anos foi ameaçado recentemente por alguns muçulmanos conservadores. “Eles me disseram: ‘você sabia que temos permissão para matá-lo?’ Mas eu realmente não sinto medo. Eu respondi: ‘Sim, eu sei que vocês podem fazer isso’. Eles retrucaram que eu era louco de dizer isso. Então eu disse a eles: ‘Sim, eu sou louco por Jesus’.Depois disso eles foram embora e não voltaram”.
Steve se tornou cristão há cinco anos através da internet. “Eu encontrei um site sobre a Bíblia e me interessei. Entrei em contato com outros cristãos e comecei a frequentar uma igreja doméstica “.
Tanto Steve quanto Tahira participaram de um treinamento de discipulado organizado pela Portas Abertas para cristãos tunisianos. O treinamento é uma das maneiras que a Portas Abertas usa para fortalecer a igreja na Tunísia.
Por razões de segurança os nomes neste artigo são fictícios.
Fonte: Portas Abertas. Divulgação Púlpito Cristão.

E AÍ, O QUE ACHOU? COMENTE!

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Deixe seu comentário aqui!

Pages