Assim diz o Senhor: Ponde-vos nos caminhos, e vede, e perguntai pelas veredas antigas, qual é o bom caminho, e andai por ele; e achareis descanso para as vossas almas. Mas eles disseram: Não andaremos nele. Jr. 6:16

"Estou crucificado com Cristo" "Ich bin Mit Cruscificado Christus" "Yo estoy crucificado con Cristo" "Ik ben gekruisigd met Christus" "Я являюсь распят со Христом" キリストと共に十字架につけられています。Je suis crucifié avec le Christ 我是與基督釘在十字架上 אני ונצלב עם המשיח

sexta-feira, 4 de maio de 2012

MUDA-SE O NOME MAS O SALÁRIO É O MESMO

Um mundo apaixonado pelo pecado transformou a palavra “pecado” em uma mera figura retórica. A línguagem tem devoluído para promover a crença de que não é grande coisa violar a voz da consciência.
Pecar é apenas “errar o alvo”. Um bordel é agora um “serviço de acompanhantes”, um clube de strip-tease é um respeitável “clube de cavalheiros”, o adultério é “caso com amante”, fornicação é “ficar com alguém”, homossexualidade é um “estilo de vida”, erros na igreja é “perseguição ao reino”, graça se tornou “licensa para pecar” sem sentir culpa e o amor de Deus se tornou “conivencia com o pecado”.
Eles podem chamar o pecado do que quiserem mas o seu salário não mudou. O salário é a morte cujo pagamento integral será a condenação eterna em um lugar terrível chamado Inferno.
O pecado é mais grave do que um ataque cardíaco. A tentativa de amenizar essa verdade é fruto da idolatria, de quem quer moldar um Deus que tolera toda sua sujeira pessoal. A raiz dessa ideia está nos púlpitos da igreja contemporânea.
Tolerância em nossa sociedade se tornou virtude. Ser tolerante não é somente ser permissivo e aceitar os pensamentos e práticas de qualquer pessoa como também é ser conivente em promover o que a Bíblia condena em todos os lugares e até dentro da igreja.
Na igreja estamos perdendo o direito de “rejeitar” o pecado. Qualquer busca por clareza, verdade e sinceridade é acusada de ‘legalismo’. A tolerância a qualquer coisa que é contrário à Palavra de Deus é pecado mesmo que praticada por aqueles que foram chamados para pregar a palavra. Cobrir o irmão não é ‘varrer a sujeira para debaixo do tapete’ quando ninguém estiver olhando. Nesse caso pecam três, o que pratica, o que tolera e o que esconde.

Wesley Moreira é teólogo, tradutor, pastor e divulga cotidianamente seus textos contundentes no face e blog pessoal.

E AÍ, O QUE ACHOU? COMENTE!

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Deixe seu comentário aqui!

Pages