Assim diz o Senhor: Ponde-vos nos caminhos, e vede, e perguntai pelas veredas antigas, qual é o bom caminho, e andai por ele; e achareis descanso para as vossas almas. Mas eles disseram: Não andaremos nele. Jr. 6:16

"Estou crucificado com Cristo" "Ich bin Mit Cruscificado Christus" "Yo estoy crucificado con Cristo" "Ik ben gekruisigd met Christus" "Я являюсь распят со Христом" キリストと共に十字架につけられています。Je suis crucifié avec le Christ 我是與基督釘在十字架上 אני ונצלב עם המשיח

sexta-feira, 3 de agosto de 2012

O que faço com esta dor no meu peito?

Por Walter McAlister
Faz pouco tempo que descobri que o grande autor, pensador e apologista G. K. Chesterton viveu acometido por uma dor tão profunda que chegou perto de tirar a sua própria vida. Mais do que quase qualquer outro pensador cristão ortodoxo, ele levou a sério o impacto das obras de Friedrich Nietzsche. Nietzsche previu o fim da ética e da própria vida pública em virtude do fato de o mundo chegar à conclusão de que Deus não existe. Na ausência de uma convicção da existência do Senhor, todo e qualquer tipo de noção de certo e errado seria absurdo e fatalmente abolida. A única coisa que sobraria seria o direito pela força. Ou seja, toda a existência humana seria uma longa série de disputas por poder: poder pessoal, poder social, poder de certos grupos sobre outros grupos, poder de ideias sobre outras ideias. Poder viria a ser o fio condutor de toda uma nova sociedade. Literalmente os fortes sobrepujariam os fracos. Os fracos, mesmo no seu direito, perderiam.
Hoje vemos isso na nossa sociedade. Os fortes se impõem. Os fortes se tornam mais fortes. Os ricos se tornam cada dia mais ricos. Os desprovidos de meios, seja por riquezas ou por violência, são cada vez menos capazes de se defender contra a onda de injustiça e de exploração. O cenário é angustiante. Pelo menos os que conseguem enxergar um pouco além das suas paredes certamente não vivem tranquilos. Tranquilidade, felicidade e paz neste mundo são reservados para os alienados, os loucos, as crianças e os que abraçam uma fé de outro mundo.
Eu tenho fé. Mas eu vivo aqui. Essa dicotomia entre onde eu estou e para onde eu vou um dia é o vórtice da minha angústia. Assim como Paulo falou em Romanos, eu gemo. A natureza geme. O próprio Espírito Santo intercede por nós, com gemidos inexprimíveis.
Há dias, sim, nos quais não vejo tão claramente a profunda tragédia da existência humana. Há dias em que me perco num pôr do sol. Há dias em que me deleito numa leitura ou num filme arrebatador. Mas há dias em que, após desligar o filme, lembro-me das minhas tristezas, dos meus desapontamentos, das decepções, dos amigos que se mostraram menos que amigos, dos conselheiros em quem depositei confiança e que me fizeram bem. Só que hoje não é mais assim. Meu mundo encolheu mais um pouco. Minha história ficou mais um pouco complicada. Meu mundo ficou um pouco mais pobre. Então choro. O peito aperta. Tomo mais um comprimido para minha pressão não subir. E o silêncio da minha sala grita. Fere a minha alma. Então olho para Deus e pergunto: “Até quando, Senhor? Será que a vida toda vai ter que ser isso? Altos e baixos? Alívio e estresse, seguido de mais alívio e mais um baque?”.
A jornada segue. Ladeira acima, vou tentando galgar com fidelidade. Tento falar algo aqui no blog que vai contribuir para a sua vida. Busco nas Escrituras a luz. Acho-a. Sim, eu a acho. Uma luz. Um passo a mais. E muitos me agradecem. Só que não sabem que de mim não há nada de bom para dar. Tudo de bom que temos recebemos do Pai do Céu.
Pessoas me lembram que há outros que sofrem. O que fazer com a dor de ver uma criança que morre de fome? De um bairro que não tem saneamento básico quando os que têm a mão nos cofres financiam projetos faraônicos que avançam a sua carreira de vaidade e poder? Vamos nos manifestar? Vamos empunhar placas nas ruas. Já sei, pintemos a cara. Isso. Quem sabe ajudaremos os jornais a preencher mais uma coluna na primeira página. Eles agradecem, certamente. Pois é pelo espetáculo que conseguem vender. Enchemos os bolsos dos donos do picadeiro. Sim, porque pelo espetáculo ajudamos a dar mais um brilho à tragicomédia pública que desfila nas telinhas.
Vamos votar em alguém. Certamente alguém vai dar um jeito nisso tudo. Só que já vi candidatos nobres mergulharem no caldo do Estado e, anos depois, com um olhar envidraçado, parecem peões parados num tabuleiro sobre o qual eles não têm controle nenhum. Paladinos cujo cavalo foi para o brejo. Suas espadas enferrujadas e penduradas lembram que um dia criam em algo. Seus nomes chegaram a significar algo nobre, um dia. Mas faz tempo que não ouvimos mais deles.
Este mundo tem jeito? A Bíblia diz que o mundo jaz no poder do maligno. É um verbo incomum. Muitos acham que “jazer” é apenas um modo antigo de dizer “deitar”. Mas não é. “Jazer” é o verbo que descreve a postura de um defunto. Um morto jaz.
Não creio que o mundo vá mudar. Mas meu coração ainda dói. Vejo alguém com necessidade e quero ajudar. Jesus nos ensinou a fazer isso. Mais ainda, o Espírito nos move. Compaixão é uma palavra que literalmente descreve um movimento das entranhas. Algo que nos impulsiona do fundo do nosso ser. Só que o mundo nos deixa brutalizados e calejados. De tanto assistir às barbaridades pela televisão, de tanto ser bombardeados por um tsunami de tragédias, absurdos, injustiças e violências, ficamos como quem não consegue mais se mover. Afinal, começar onde? Vamos acabar com a escravatura mais antiga do mundo? Sim, porque há 600 milhões de indianos, conhecidos como “intocáveis”. Eles são escravos das classes mais avantajados. Têm que viver sua vida inteira em absoluta e inquestionável subserviência. Suas mulheres são estupradas sem que esse ato bestial redunde nas menores consequências para os seus agressores. Se o mundo inteiro se mobilizasse, conseguiríamos fazer uma diferença? Mas e o meio ambiente, o tráfico de escravos, as experiências das empresas farmacêuticas em vilarejos africanos e os genocídios movidos pelo mercado de petróleo? Qual dos males deste mundo vamos resolver de vez?
Ah, então vamos fazer algo, porque temos tanto, enquanto outros têm tão pouco. Só que 40% do mundo nunca viram um telefone, não possuem mais do que uma roupa e não têm onde dormir. Além do mais, 40% da população mundial irão dormir esta noite com uma dor quase insuportável por causa da fome. Quem tiver o que comer e mais de uma roupa, na escala mundial pode ser considerar rico! Ainda mais se tiver um teto sobre a sua cabeça!
“Quem é o meu próximo?” Essa foi a pergunta proposta a Jesus. Sua resposta foi simples. Quem estiver à mão. As nossas dores são reais. As do nosso próximo podem ser menores ou maiores. Por onde vou começar a tratar desta dor que enche o meu peito na calada da noite? Por onde vou começar a buscar o que certamente minha alma busca, sem que a minha cabeça saiba o que seja?
Começo de joelhos. Começo pedindo misericórdia. O mundo é um lugar absolutamente enlouquecedor. O mundo é um lugar hostil, violento, absurdamente enorme, com problemas cujas dimensões extrapolam a minha imaginação, o meu conhecimento e os meus meios.
Vou abraçar a minha esposa e lhe dar um beijo. Sei que, de todos os problemas que há no mundo, o dela é o que está mais próximo. Vou ajudar quem eu puder. Vou chorar mais um pouco. E vou orar. “Senhor, venha o teu Reino. Seja feita a tua vontade assim na terra como no Céu…. pois…. TEU É O PODER….”. Há consolo nisso? Só pela fé. É uma solução? Não creio que seja, pelo menos não a final. Mas certamente é um bom começo.
Na paz,
+W

Direto do Blog do Bispo Walter McAlister
Divulgação: Púlpito Cristão.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Deixe seu comentário aqui!

Pages