Assim diz o Senhor: Ponde-vos nos caminhos, e vede, e perguntai pelas veredas antigas, qual é o bom caminho, e andai por ele; e achareis descanso para as vossas almas. Mas eles disseram: Não andaremos nele. Jr. 6:16

"Estou crucificado com Cristo" "Ich bin Mit Cruscificado Christus" "Yo estoy crucificado con Cristo" "Ik ben gekruisigd met Christus" "Я являюсь распят со Христом" キリストと共に十字架につけられています。Je suis crucifié avec le Christ 我是與基督釘在十字架上 אני ונצלב עם המשיח

segunda-feira, 28 de agosto de 2017

SUICÍDIO DE PASTORES E LÍDERES

UMA REFLEXÃO NECESSÁRIA E VERDADEIRA EM NOSSOS DIAS...

Publicado por Marcos Quaresma no site da SEPAL

TEXTO BÍBLICO:
“...conflitos externos e temores internos. Deus porém consolou-nos com a chegada de Tito”
(II Co 7.5,6)

PANORAMA:

O suicídio de pastores, líderes e filhos de líderes cresce e preocupa, tendo sido até batizado de “onda de suicídios”, mesmo não sendo algo novo. Há registros bíblicos de líderes como Sansão, Saul e Judas que tiraram suas vidas. Van Gogh, que além de pintor foi pastor, é um dos mais famosos a aplicar a pena capital contra si mesmo.

Nos últimos anos, vários pastores americanos tiraram suas vidas e, assim como no Brasil, o fato passa a ter certa frequência.

O que está acontecendo com os que estão na função de cuidado, mas não conseguem administrar suas próprias demandas? 

Por que pessoas que já ajudaram a tantos, desistem da própria vida? De acordo com o Instituto Schaeffer, “70% dos pastores lutam constantemente contra a depressão, 71% se dizem esgotados, 80% acreditam que o ministério pastoral afetou negativamente suas famílias e 70% dizem não ter um amigo próximo”.

MOTIVOS:

A causa mais comum noticiada para o suicídio de pastores e líderes, é a depressão associada a esgotamento físico e emocional, traições ministeriais, baixos salários e isolamento por falta de amigos.

Sim, pastores têm poucos amigos, e às vezes nenhum.

Isso é visível em reuniões nas quais a maioria conta proezas, sucessos, vitórias e conquistas na presença dos demais, num clima de competição para mostrar que possui êxito no exercício ministerial.

Entretanto, quando a conversa é íntima, o sofrimento se revela. 

Boa parte está cansada, desanimada, chateada com a igreja e com a liderança. 

Muitos possuem dificuldades no cuidado com a família e as finanças de alguns estão desequilibradas.

Isso acontece, em parte, porque pastores contemporâneos são cobrados como executivos ou técnicos de clubes de futebol, que precisam oferecer resultados numéricos às suas instituições. Caso contrário perdem seus membros, emprego, salário, moradia e sustento da família. 

É uma pressão enorme sobre os ombros de um ser humano.

A figura do pastor-pai-cuidador está escassa; aquele que expõe a Palavra à comunidade-família, aconselha os que sofrem e cuida dos enfermos e das viúvas. 

Há uma crise de identidade funcional entre o chamado pastoral e as exigências do mercado religioso institucional.

POSSIBILIDADES:

Ao olhar as palavras de Paulo no texto acima citado, percebe-se como o Senhor usou a chegada de Tito para consolá-lo, quando ele passava por conflitos internos e externos. 

Há alguns anos, a psicóloga Fátima Fontes, quando perguntada sobre livros que pudessem ajudar em momentos difíceis, respondeu com brandura e firmeza: 
“Nesses momentos, não precisamos de livros, precisamos de amigos”.

É verdade, parece que é isso que o apóstolo deseja ensinar, quando menciona a chegada de Tito, bem como o pedido que faz a Timóteo em uma carta, no final de sua vida: “traga Marcos com você porque ele me é útil” (II Tm 4.11).

É notável que nos versos seguintes ele pede a capa, os pergaminhos e os livros. 

Mas primeiro ele precisava de uma pessoa, Marcos. Como diz o Ed René Kivitz: “pessoas precisam de Deus, mas pessoas também precisam de pessoas”.

Foi “a chegada de Tito” que consolou o apóstolo Paulo, e era Marcos, acima da capa e dos livros, que teria mais utilidade.

É urgente que se perceba a humanidade limitada e finita de pastores e líderes e que passos sejam dados por indivíduos e instituições, para melhorar a qualidade de vida dos que servem ao corpo de Cristo.

PASTORES:

Fazer algo que traga alegria, prazer: ver filmes, pescar, caminhar, nadar, dançar, viajar.

Atividades que o façam se sentir mais humano;
encontrar um amigo que o aceite como é, com suas bobagens e defeitos, com quem se possa jogar conversa fora e não se saiba explicar o porquê da amizade. Ela apenas existe, nada mais, sendo inclusive possível fora de sua igreja local.

Encontrar um conselheiro ou terapeuta de confiança para abrir a alma. Pessoas de confiança, “Titos” e “Marcos” são imprescindíveis nas horas difíceis, diante das lutas da vida que parecem invencíveis.
Instituições;

Promover encontros de pastores que possuam caráter terapêutico/curador. Com facilitadores habilitados na condução de compartilhamento de emoções que afetam a vida pastoral;

Diminuir as pressões de resultados sobre a função pastoral, o Pastor não é um executivo, nem técnico de futebol, mas um cuidador do rebanho-família;

Estabelecer um padrão mínimo de orçamento-salário pastoral, para que ele e sua família não sofram privações. 

Que o Senhor continue a prover sobre seu rebanho “pastores segundo o seu coração”.

Repassando com amor a todos os servos e todas as servas do Senhor que tivemos o privilégio de conhecer nessa caminhada.

CARIDADE - REFERÊNCIA BÍBLICA

O que é a caridade?

    Caridade é o ato benigno de saciar a necessidade das pessoas em suas vidas, simplesmente por amor a elas, e para que elas dêem graças a Deus. Se amarmos verdadeiramente ao próximo como a nós mesmos, não o deixaremos, tendo condições para saciá-lo, sem que atendamos às suas necessidades, pois estaríamos negando a nós mesmos. Assim, disse o Senhor Jesus, para que tenhamos misericórdia do próximo: Vai, e faze da mesma maneira. (Lucas 10:37b)
     Este ato nos aproxima do Pai, a medida em que nos apresentamos diante dELE, com semelhante natureza. Desta forma, está escrito: E, sobre tudo isto, revesti-vos de caridade, que é o vínculo da perfeição. (Colossenses 3:14) E também: Sede vós, pois, perfeitos, como é perfeito o vosso Pai celestial. (Mateus 5:48)
     O Senhor Jesus, por diversas oportunidades, praticou a caridade para nos conduzir pelos seus exemplos. Certa vez, quando observou uma multidão que o acompanhava, dos quais eram quase cinco mil homens, além das mulheres e crianças, moveu-se de íntima compaixão por eles. Então, tomou cinco pães e dois peixinhos que lhe foram apresentados, deu graças a Deus e os multiplicou por um notório milagre. (Mateus 14:15-21) Assim, todos que lá estavam saciaram a sua fome, sendo que, em muito sobraram pedaços. O Mestre Jesus não somente demonstrou sua poderosa fé, a qual operou este maravilhoso sinal, como praticou a caridade além do mínimo necessário para que todos fossem saciados. Da mesma maneira, em outra ocasião, o Senhor Jesus milagrosamente alimentou uma multidão de quatro mil homens, além de mulheres e crianças. Glória a Deus!
Qual é a importância da prática da caridade em nossas vidas?

    Jesus é a verdade, a Palavra de Deus. E, no juízo os homens serão julgados pelas suas obras e por aquele que é perfeito. Assim, serão separados os escolhidos dos malditos, e todo aquele que for escolhido estará colocado à sua direita, como está escrito:
(Mateus 25:31-33)
31Quando, pois vier o Filho do homem na sua glória, e todos os anjos com ele, então se assentará no trono da sua glória;
32E todas as nações serão reunidas diante dele; e apartará uns dos outros, como o pastor aparta dos bodes as ovelhas;
33 E porá as ovelhas à sua direita, mas os bodes à esquerda.
     Então, o Senhor Jesus anunciará aos que estiverem à sua direita a bênção das bênçãos:
(Mateus 25:34)
34 Então dirá o Rei aos que estiverem à sua direita: Vinde, benditos de meu Pai. Possuí por herança o reino que vos está preparado desde a fundação do mundo;
     Em seguida, todos conhecerão quais foram as obras que lhes foram imputadas por justiça. Como está escrito:
(Mateus 25:35-40)
35 Porque tive fome, e me destes de comer; tive sede, e me destes de beber; era forasteiro, e me acolhestes;
36 estava nu, e me vestistes; adoeci, e me visitastes; estava na prisão e fostes ver-me.
37 Então os justos lhe perguntarão: Senhor, quando te vimos com fome, e te demos de comer? ou com sede, e te demos de beber?
38 Quando te vimos forasteiro, e te acolhemos? ou nu, e te vestimos?
39 Quando te vimos enfermo, ou na prisão, e fomos visitar-te?
40 E responder-lhes-á o Rei: Em verdade vos digo que, sempre que o fizestes a um destes meus irmãos, mesmo dos mais pequeninos, a mim o fizestes.
     E também, declarará a todos os excluídos a razão pela qual são ditos para mal, ou seja, amaldiçoados eternamente:
(Mateus 25:41-46)
41 Então dirá também aos que estiverem à sua esquerda: Apartai- vos de mim, malditos, para o fogo eterno, preparado para o Diabo e seus anjos;
42 porque tive fome, e não me destes de comer; tive sede, e não me destes de beber;
43 era forasteiro, e não me acolhestes; estava nu, e não me vestistes; enfermo, e na prisão, e não me visitastes.
44 Então também estes perguntarão: Senhor, quando te vimos com fome, ou com sede, ou forasteiro, ou nu, ou enfermo, ou na prisão, e não te servimos?
45 Ao que lhes responderá: Em verdade vos digo que, sempre que o deixaste de fazer a um destes mais pequeninos, deixastes de o fazer a mim.
46 E irão eles para o castigo eterno, mas os justos para a vida eterna.
     Percebe-se então, que aquele que exerce a caridade demostra que, não somente conhece a Palavra de Deus e vive pela fé, como a pratica. A fé por si mesma não basta. Aquele que tem fé, mas não pratica os mandamentos do Senhor tem sua fé condenada a morte. A Palavra nos exorta a atentarmos, como está escrito:
(Tiago 2:14-17)
14 Que proveito há, meus irmãos se alguém disser que tem fé e não tiver obras? Porventura essa fé pode salvá-lo?
15 Se um irmão ou uma irmã estiverem nus e tiverem falta de mantimento cotidiano.
16 e algum de vós lhes disser: Ide em paz, aquentai-vos e fartai-vos; e não lhes derdes as coisas necessárias para o corpo, que proveito há nisso?
17 Assim também a fé, se não tiver obras, é morta em si mesma.
O que é a verdadeira caridade?

    A verdadeira caridade constitue-se no mais puro e pleno amor. De nada adianta, sejam os dons ou o conhecimento da Palavra, se esta não for praticada; semelhante ao metal torna-se o coração sem caridade. Desta forma, o Espírito nos fala por meio de Paulo:
(I Coríntios 13:1-2)
1 Ainda que eu falasse as línguas dos homens e dos anjos, e não tivesse caridade, seria como o metal que soa ou como o címbalo que retine.
2 E ainda que tivesse o dom de profecia, e conhecesse todos os mistérios e toda a ciência, e ainda que tivesse toda fé, de maneira tal que transportasse os montes, e não tivesse caridade, nada seria.
     Da mesma forma, não basta praticar uma caridade hipócrita. É necessário que, atos de caridade sejam revestidos dos mais benevolentes princípios, os quais Paulo os expõe pela carta aos Coríntios:
(I Coríntios 13:3-7)
3 E ainda que distribuísse todos os meus bens para sustento dos pobres, e ainda que entregasse o meu corpo para ser queimado, e não tivesse caridade, nada disso me aproveitaria.
4 A caridade é sofredora, é benigna; a caridade não é invejosa; a caridade não se vangloria, não se ensoberbece,
5 não se porta com indecência, não busca os seus próprios interesses, não se irrita, não suspeita mal;
6 não se regozija com a injustiça, mas se regozija com a verdade;
7 tudo sofre, tudo crê, tudo espera, tudo suporta.
     Então, Paulo nos adverte que a caridade é inabalável; outras capacidades associadas a estes dias de vida passam, mas a caridade não.
(I Coríntios 13:8)
8 A caridade nunca falha; mas havendo profecias, serão aniquiladas; havendo línguas, cessarão; havendo ciência, desaparecerá;
     Resumidamente, Paulo nos adverte, na vidas dos irmãos em Cristo, da grandeza na caridade frente a outras virtudes de imenso valor:
(I Coríntios 13:13)
13 Agora, pois, permanecem a fé, a esperança, e a caridade, estas três; mas a maior destas é a caridade.
Como deve ser praticada a caridade?

     A maior caridade já nos foi praticada. O Pai enviou seu próprio Filho, para que nós não somente fossemos resgatados das maldições da lei pela doação de sua vida, mas também para que, por Jesus o Messias, pudessemos ser chamados de filhos de Deus, como está escrito:
(I João 3:1)
1 Vede que grande caridade nos tem concedido o Pai: que fôssemos chamados filhos de Deus.
     A partir deste ato de amor imensurável de nosso Deus para conosco, devemos estar ávidos em praticar a caridade por amor e gratidão para com todos. Esta caridade não deve ser morosa, mas como Jesus sempre fez, de pronto. Vejamos uma passagem que demostra bem esta prontidão:
(Mateus 8:2-3)
2 E eis que veio um leproso e o adorava, dizendo: Senhor, se quiseres, podes tornar-me limpo.
3 Jesus, pois, estendendo a mão, tocou-o, dizendo: Quero; sê limpo. No mesmo instante ficou purificado da sua lepra. 
     Sendo assim, a caridade deve ser doadora. Sabendo que o Rei dos reis se fez servo de todos, para que todo aquele que nELE cresse não permanecesse nas trevas, como está escrito:
(II Coríntios 8:9)
9 pois conheceis a graça de nosso Senhor Jesus Cristo, que, sendo rico, por amor de vós se fez pobre, para que pela sua pobreza fôsseis enriquecidos.
     Toda obra de caridade deve ser feita segundo o que se possui, e com prontidão, não somente no desejo, mas na sua execução; como se lê:
(II Coríntios 8:11-12)
11 agora, pois, levai a termo a obra, para que, assim como houve a prontidão no querer, haja também o cumprir segundo o que tendes.
12 Porque, se há prontidão de vontade, é aceitável segundo o que alguém tem, e não segundo o que não tem.
Qual é a recompensa da caridade?

    A maior recompensa da caridade é poder ser vinculado a perfeição. Certa vez, um homem de muitas posses declarou a Jesus, que desde sua mocidade havia guardado todos os mandamentos, então disse-lhe Jesus:
Mateus 19:21
  1. Se queres ser perfeito, vai, vende tudo o que tens e dá-o aos pobres, e terás um tesouro no céu; e vem, segue-me.
     Aquele homem não aceitou, pois possuía muitos bens. Retirou-se da presença dELE demonstrando o quanto ainda estava ligado às coisas deste mundo. Seu vínculo ao mundo era com as riquezas e ele deixou o tesouro do céu por elas.
     A Palavra nos garante que é dando que se recebe. Muitas são as chances de doar por caridade, mas infelizmente muitos são os que não praticam. O Pai, deu-nos a chance de recebermos abundantemente, mas há necessidade de que façamos a nossa parte, com alegria, de acordo com o que sentimos em nossos corações, como está escrito:
(II Coríntios 9:6-8)
6 Mas digo isto: Aquele que semeia pouco, pouco também ceifará; e aquele que semeia em abundância, em abundância também ceifará,
7 Cada um contribua segundo propôs no seu coração; não com tristeza, nem por constrangimento; porque Deus ama ao que dá com alegria.
8 E Deus é poderoso para fazer abundar em vós toda a graça, a fim de que, tendo sempre, em tudo, toda a suficiência, abundeis em toda boa obra;
     Isto para que, vindo o dia do julgamento, estejamos aptos a sermos julgados pela misericórdia, como nos adverte Tiago:
(Tiago 2:13)
13 Porque o juízo será sem misericórdia para aquele que não usou de misericórdia; a misericórdia triunfa sobre o juízo.
     Pois sobre todo aquele que não foi, então este não será para sempre:
(I Coríntios 13:10)
10 mas, quando vier o que é perfeito, então o que é em parte será aniquilado.
 Qual a relação entre a fé e a caridade?

     Não há perfeição numa fé sem obras de caridade. É semelhante dizer que, fé sem caridade vem dos corações que não possuem amor. É improdutiva.
     Certamente, um coração caridoso possui uma fé verdadeira. Pela fé, com as obras, justificam-se os homens e por elas aperfeiçoa-se a fé, como está escrito:
(Tiago 2:18-24)
18 Mas dirá alguém: Tu tens fé, e eu tenho obras; mostra-me a tua fé sem as obras, e eu te mostrarei a minha fé pelas minhas obras.
19 Crês tu que Deus é um só? Fazes bem; os demônios também o crêem, e estremecem.
20 Mas queres saber, ó homem vão, que a fé sem as obras é estéril?
21 Porventura não foi pelas obras que nosso pai Abraão foi justificado quando ofereceu sobre o altar seu filho Isaque?
22 Vês que a fé cooperou com as suas obras, e que pelas obras a fé foi aperfeiçoada;
23 e se cumpriu a escritura que diz: E creu Abraão a Deus, e isso lhe foi imputado como justiça, e foi chamado amigo de Deus.
24 Vedes então que é pelas obras que o homem é justificado, e não somente pela fé. 
Fonte: Evangelon

sexta-feira, 25 de agosto de 2017

quarta-feira, 23 de agosto de 2017

ASOCIAÇÃO PROJETO ATOS 2

QUERIDOS AMIGOS E IRMÃOS: PRECISAMOS DE SUAS ORAÇÕES E SUA AJUDA! QUEREMOS REGISTRAR A ASSOCIAÇÃO ATOS 2! JÁ RECEBEMOS ALGUMAS DOAÇÕES EM DINHEIRO, MAS AINDA FALTAM R$ 1.100,00, PARA O REGISTRO! PARTICIPE! COLABORE! ENTRE EM CONTATO CONOSCO! VEJAM ALGUNS VÍDEOS DO PROJETO! TODAS AS QUINTAS, NAS RUAS E LADEIRAS DE OLINDA! DAS 22H ÀS 02:00H!
video
video
video
video
video
video
video
video

Pages